Total de Acessos

Translate

quinta-feira, 12 de maio de 2011

O Crente Aladin e a Bíblia Maravilhosa

Por Adriano Bezerra de Araújo



Qualquer semelhança com a vida real terá sido “mera coincidência”.

Existe um texto em que Jesus faz a seguinte afirmação: “E tudo quanto pedirdes em oração, crendo, recebereis” Mat 21.22. Jesus e os discípulos estavam passando por uma figueira e como não tinha fruto Ele mandou que nunca mais nascessem frutos nela. Ao passo que a admiração dos discípulos foi grande e, no momento seguinte Jesus faz a declaração de que se tivermos fé poderemos fazer com que montes se transportem para o meio dos mares. Pois bem, o que mais me chama atenção nos dias de hoje é que, os apologistas da teologia da prosperidade pegam este e outros versos para defender aquilo em que acreditam. Na mesma linha estamos nós, membros de igrejas (pois não sou pastor, bispo, apóstolo, affi a lista é enorme) sou um membro comum de um grande rebanho, mas, me preocupo com a situação do nosso povo.
Um dos pilares da reforma foi SOLA ESCRIPTURA, aonde a bíblia é a nossa regra de fé e prática, mas, muitos hoje “levados por qualquer vento de doutrina” têm feito desta mesma Escritura o seu amuleto da sorte. Aonde, fazendo analogia a história das “mil e uma noites”, basta dar uma ensfregadinha e ai o gênio aparece e satisfaz os nossos desejos. Sejam eles de casa, do carro, enfim, não há nada que o “gênio” não satisfaça, até porque ele é “deus”.  Não tenho nada contra a se pedir as coisas para Deus, pois, ele tem “cuidado de nós” nos seus mínimos detalhes. O problema é a falta de escrúpulos que muitos líderes têm, afirmam que nós temos que exigir de Deus aquilo que nós, pobres mortais, temos direito. Lembro da palavra de Paulo aos romanos: “Pode a coisa formada dizer ao criador, porque me formaste assim? Ou não tem o oleiro poder sobre a massa pra dela fazer um novo vaso?” Amados, estamos vivendo dias de plena confusão teológica, aonde a Palavra de Deus já não tem todo poder. Paulo também diz o seguinte: “Não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus.”.
Eu tenho me envergonhado deste “evangelho” que é pregado por ai, que anula o poder transformador do evangelho de Cristo.
Não sou melhor que você, apenas creio que a Bíblia é a única regra de fé e prática.

SOLA ESCRIPTURA

Adriano Bezerra
Lavado, remido, salvo, predestinado e escolhido para ser glorificado.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Asas como as da Águia.


Transcrito de Autor Desconhecido.

“A águia é a ave de maior longevidade”. Chega a viver 70 anos, mas, para chegar a essa idade, aos 40 é obrigada a tomar uma difícil decisão.
Nessa idade ela está com as unhas compridas e flexíveis, e não consegue mais agarrar as presas das quais se alimenta; o bico, alongado
e pontiagudo, se curva; as asas, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas, já não permitem o voo garboso.
Então, a águia só tem duas alternativas: morrer ou enfrentar um doloroso processo de renovação que durará perto de 150 dias.

Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher a um ninho, próximo a um costão protegido, de onde ela não precise sair.
Quando encontra esse lugar, a águia bate o bico na pedra até conseguir arrancá-lo. E espera, pacientemente, nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas. Só depois de cinco meses sai para o seu voo de renovação e para então viver mais 30 anos. O meu desejo é que você tenha coragem de ser como a águia para, se preciso, promover um processo de renovação, mesmo que seja doloroso. Às vezes, para que alcancemos um vôo de vitória, devemos nos desprender de pessoas, costumes, lembranças e coisas que nos causaram dor ou não servem mais. Somente livres do peso do passado, poderemos aproveitar o resultado valioso que uma renovação sempre traz.






Que Deus te abençoe e te fortaleça sempre!

Não Perca - Nosso 11º Aniversário


Este será um dia muito especial, onde renderemos graças a Deus por 11 anos de muitas vitórias e ricas Bênçãos. Você é nosso convidado Especial!

segunda-feira, 9 de maio de 2011

O Que Está Acontecendo Com Evangelicalismo no Brasil?


Pelo meu amigo Adriano Bezerra de Araújo.

Vinha pensando estes dias na situação espiritual e teológica de nosso povo. Ser evangélico hoje tem se tornado sinal de status social muito mais que “ir contra” à maré.
Quero citar as palavras que se encontram no livro de romanos, capítulo 1, verso 16: “Pois não me envergonho do evangelho, pois é poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê.”.
Este texto é interessante, pois retrata a confiança de Paulo nas boas novas de Salvação, é o poder do próprio evangelho que tem a autoridade para salvar, ou seja, levar o homem de volta ao seu criador. Vivenciamos hoje alguns extremos em que este “evangelho”, me parece que não tem mais “poder”. E qual a causa disto? A meu ver existem algumas opiniões a cerca disto: Como diz Augustus Nicodemus, o nosso povo ainda vivencia um pouco ou muito de uma religiosidade herdada do catolicismo romano, com suas práticas e ritos. Uma segunda opinião é a de que somos místicos, muito mais que os espíritas, candomblecistas, adeptos da nova era, etc. Por que criticá-los se nós fazemos o mesmo? É bala ungida, é areia do rio Jordão, são sete águas, sete dias, sete correntes, enfim, uma parafernália de amuletos e vassouras de fogo que se usa que me pergunto: AONDE VAMOS PARAR? Até a roda da carruagem de Elias não é poupada, Meu Deus!
Fico me perguntando onde estão os nossos líderes que não vêem isso?! Cadê os cultos de doutrina, ah, “doutrina”! Hoje parece que só serve pra falar dos cabelos e dos vestidos das irmãs. Cadê o combate ao adultério, ao roubo, a mentira, ao sexo fora do casamento.
Quero lembrar os ideais da reforma, de homens e mulheres que deram suas vidas para que tivéssemos a Palavra de Deus em nossas mãos e em nossas próprias línguas:
1-     SOLA ESCRIPTURA
2-    SOLA FIDE
3-     SOLA GRATIA
4-    SOLOS CRISTUS
5-     SOLE DEO GLORIA.
São estes pilares que devem permear a nossa vida. E digo uma coisa:”Não é a experiência a detentora da verdade, é a Bíblia, a nossa regra de fé e prática”. Toda experiência humana está abaixo da revelação maior de Deus para o homem. Como diz Paulo no texto que iniciamos nosso comentário: “... o EVANGELHO é o poder de Deus.”.

VIVA A REFORMA.

sábado, 7 de maio de 2011

Homenagem as Mães, Com Carinho!



Palavras não definem sentimentos
O que se sente é mais do que o texto
Em todo este mundo não existe
Nada igual a ti, eu te confesso.

Presente és de Deus e não duvido
A vida sem você é um deserto
A vida com você é alegria
A tua alegria é meu sucesso.

Sentido pra compor canções de Amor
Pra declamar uns versos com carinho
Você pra mim é Joia de valor
Tesouro mais precioso em meu caminho.

A minha gratidão a Deus expresso
Foi Ele que juntou as nossas vidas
Em toda minha vida te confesso
Te amarei pra sempre, mãe querida! 



Ofereço estes versos que compus a minha querida mãe, Ivone, a minha amada esposa, Evani, a minha vovó Rosa, a minha mãe na fé, Luzinete e a todas as mães que conheci nos poucos lugares que Deus me permitiu estar.
Deus vos abençoe!Desejo isso a todas a mães, obrigado por existirem em nossas vidas!

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Louvar a Deus é uma Atitude do Coração

PDFImprimirE-mail


Por Ronaldo Lidório.


É comum observar que alguns que muito tem, com abundância e mais do que precisam, por vezes permanecem em contínuo murmúrio pelo que julgam ainda lhes faltar. Nada lhes é suficiente. Outros, mesmo tendo pouquíssimo, o pouco que tem lhes basta para encher o coração de louvor e agradecimento a Deus.
Isto nos leva a uma percepção bíblica de que o louvor não é definido pelas circunstâncias da vida, mas pela atitude do coração.
O Salmo 34 é um convite ao louvor e à maturidade espiritual. Nele o salmista manifesta o seu compromisso de louvar ao Senhor em “todo o tempo”(v.1).
Louvar ao Senhor ao ganhar o que se desejou, ao ter o pedido atendido ou ao ser surpreendido por uma ótima notícia não exige nada especial do nosso coração. A proposta bíblica, porém, é bem mais ampla: é louvar a Deus em “todo o tempo”, no dia bom e também no dia mau, em plena saúde e nos dias de enfermidade, quando aplaudido ou quando criticado, ao receber uma resposta positiva do Senhor ou quando Ele nos fecha um caminho que desejávamos seguir.
Louvar a Deus em “todo o tempo” implica em reconhecer que todos os planos do Senhor são planos de amor. Que, de fato, todas as coisas cooperam, de alguma forma que pouco compreendemos, para o bem dos que sinceramente amam a Deus, e isto nos basta. Louvar a Deus em “todo o tempo” implica também em reconhecer que as circunstâncias da vida, mesmo as mais difíceis, possuem algum motivo de louvor.
Neste salmo não encontramos um cenário de perfeição que nos leva ao louvor, mas um louvor que é proferido na realidade da vida que possui seus desafios realistas e constantes. Os versos 4, 5 e 6 nos falam sobre temores, angústicas e prisões. O verso 8 nos leva, entretanto, ao reconhecimento de que além das cores que pintam o presente cenário da nossa vida, Ele é bom. Somos conduzidos não apenas a compreender a Sua bondade, mas a experimentá-la: “provai e vede que o Senhor é bom”! Deus não é apresentado como aquele que realiza atos de bondade, mas como aquele que é bom em sua essência. É da natureza de Deus ser bom.
Alguns passam por angústias e tornam-se murmuradores. Outros passam por angústias e reconhecem a bondade do Senhor. A diferença está na atitude do coração.
O louvor a Deus combate também a ansiedade da alma.Depressões, ansiedades, fobias e temores são as enfermidades do nosso século. Jamais tantos medicamentos foram produzidos e consumidos para estes problemas emocionais como hoje. Neste salmo vemos que, ao lidar com o louvor, pacificamos também nossos corações. No verso 1 ele nos fala sobre a alegria, no 2 sobre a libertação de nossos temores e no 5 da libertação das nossas angústias. Louvar a Deus alegra o coração do Pai e também pacifica a nossa alma, uma vez que reconheço que minha vida está nas mãos daquele que, em todas as coisas, é bom.
Em 1873 um navio francês, o Ville de Havre, seguia da costa leste americana para a Europa. Entre os passageiros encontravam-se a senhora Spafford e seus quatro filhos, esposa de um cristão piedoso, jovem advogado de Chicago. Nesta viagem o navio sofre um acidente e vem a naufragar, morrendo quase todos os tripulantes. Dias de desespero se seguem com a ausência de notícias para as famílias dos desaparecidos em alto mar. Finalmente o senhor Spafford recebe um telegrama comunicando que sua esposa foi encontrada ainda com vida, mas estava só. A mensagem sobre a perda de seus quatro filhos lhe aflige a alma. Ele chora e lamenta. Depois senta-se e escreve a letra de um hino que se tornaria conhecido em todo o mundo: “It is well with my soul” (Está bem a minha alma), conhecido como “Sou feliz com Jesus”. Nele ele diz:
Se paz a mais doce me deres gozar
se dor a mais forte sofrer
Oh, seja o que for, Tu me fazes saber
Que feliz com Jesus sempre sou


O louvor a Deus não é definido pelos marcadores da nossa história,mas sim pela bondade do Senhor que vai além das linhas do horizonte do entendimento da vida. Louvar a Deus é reconhecer que a Sua bondade será sempre maior do que qualquer tragédia que possa se abater sobre nossa existência. É cantar a Sua bondade nos dias de luz e alegria, e não deixar de fazê-lo nos dias de neblina forte e cores cinzas. Sua bondade é maior que a vida.
Um dia, em luz plena e eterna, cantaremos a Sua bondade, em “todo o tempo”. Não precisaremos de fatos da vida para fazê-lo. A Sua presença nos bastará.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Pensamentos I

Alguns pensamentos em nossa sociedade são expostos no dia-dia e me causaram uma vontade de formular alguns;


Dizem: "O mundo é do mais esperto!"


Penso: "Se o mundo é do mais esperto a Eternidade é dos Escolhidos de Deus!"


Dizem: "Tempo, Mestre de todas as horas e dias..."


Penso:" Cristo é o Mestre dos Mestres, o tempo é um de seus auxiliares."


Dizem: "Deus é Grande!"


Penso: "Deus é Grande, Nossa Fé e compromisso com Ele é que são Pequenos."


Alessandro San

terça-feira, 3 de maio de 2011

Letras Sobre o Calvário

Caros Leitores,


É bom ver essa diversidade de estilos musicais que concernem a nossa música Gospel atual. Vários estilos rítmicos, de todas as partes do Brasil, embora a influencia americana ainda é fortíssima em nossa música evangélica. Tabus foram quebrados, um deles o de que alguns ritmos eram do diabo (Lamentável idéia do passado em alguns lugares), Hoje temos mais liberdade de expor músicas mais condizentes a cultura de cada um.


O tema Adoração ficou mais explicito, com uma linguagem diferente, é verdade. Muitos ministérios existem que levantam esta bandeira (As vezes trazem uma teologia questionável, mas isso é tema de outro post), mas louvado seja Deus pela expansão de nossa música em todos os âmbitos da sociedade pós-moderna.


O que me deixa um pouco nostálgico e um pouco preocupado também é que aquelas letras que evidenciavam enfaticamente a Cruz de Cristo, o Sangue derramado, o Sacrifício Vicário do Mestre, o Calvário, a Salvação e perdão de Pecados e a Vida Eterna, estão começando a ficar mais raras do que antigamente.
Em tempos de Grupo Logos, Afonso Augusto, Oséias de Paula, Sérgio Lopes, Mattos Nascimento, Álvaro Tito e tantos que a memória é curta para citar nome por nome, isso sempre foi muito evidente e claro, música feita para o coração do pecador sem Jesus e que precisa refletir sua vida diante de Deus.


Sei que ainda existem remanescentes deste tempo, e acredito que consigamos retomar esse ênfase, por que mercado é mercado, mas Reino de Deus é Reino de Deus.


Abraços,


Alessandro San.

Alguns Animais São Grandes Companheiros

Nossa vida é cheia de acontecimentos, corremos tanto para dar conta de tudo o que fazemos, vamos de um lado para o outro rapidamente, nossa vida é muito corrida. Conhecemos tanta gente e vivemos grandes experiências, algumas delas nos marcam. Mas desde a infância aprendemos a amar os animais, alguns são mais carinhosos do que humanos e muito mais leais.




Lembro do exemplo do Cachorro. Mesmo em dia de chuva, com muita lama na rua, você chega em casa sujo e molhado (algumas vezes) mas, ele vem correndo em meio a chuva para lhe receber, pula em você e ainda que você esteja um pouco irritado e lhe dê uma bronca, ele se afasta, abaixa a cabeça, mas na primeira oportunidade vem com o rabinho balançando ao seu encontro. Nunca está indisposto e sem tempo para você...Como vemos alguns animais tem características que nos fazem muito bem em nosso dia-dia cheio de stress.


Precisamos aprender muito com eles, com o relacionamento com eles, neles podemos confirmar pessoalmente como Deus é perfeito em tudo o que faz.
Depois desta, vamos cuidar melhor de nossos amiguinhos, combinado?


Abraço,


Alessandro San.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Futuro do Jornalismo Paraibano

Tenho andado preocupado com os rumos que o atual jornalismo paraibano tem tomado, ao ligar minha televisão (Quando tenho tempo), na hora do almoço, vejo um cenário absolutamente preocupante. O que dá audiência hoje não é mais a notícia imparcial, com responsabilidade, com preocupação com uma postura ética, esmero na dicção ao comunicar uma noticia e a devida análise das imagens que de fato tem que ir ao conhecimento do público em casa.


Temos visto cenas aterrorizantes de violência, mas isso é exibido de forma normal, banalizou-se. O mais grave é a reação do próprio público diante disso, porque sempre tem um grande público próximo a um cadáver estendido no chão durante a reportagem, parece um show, todos sorrindo, velhos, jovens e crianças juntos...


Sei que ainda existem emissoras que prezam pelo Jornalismo ético e de qualidade, que de fato influenciem a população com idéias de fato relevantes para o bem estar de seu público, não estou generalizando o meu comentário, mas isso não me deixa completamente tranquilo.
Sem falar de que quais referenciais estamos criando para nossa sociedade? Se um Jovem escolhe esta brilhante carreira e vê que ser um profissional desta honrosa carreira só faz sucesso se inventar bordões, jargões ou ficar dançando na Tv com musiquinhas de mal gosto, como ficaremos nós?
Acredito no verdadeiro jornalismo e creio que essa realidade um dia muda, assim como num tempo chove e no outro faz sol, modas passam, o que fica é o que realmente é sólido.


Um Abraço,


Alessandro San.